domingo, 11 de março de 2012

MOEBIUS....morreu....




O desenhador e argumentista Jean Henri Giraud morreu no dia 11 de Março, de cancro em Paris, informou a família. Tinha 73 anos.

O autor de Blueberry, Incal e tantas outras criações de referência da banda desenliada franco-belga estava doente há dois anos e sabia-se que o seu actual estado de saúde era grave.

Apesar disso, a notícia foi recebida com muita tristeza no meio da BD. "Toda a profissão está em estado de choque, totalmente arrasada", declarou à AFP Gilles Ratier, secretário-geral da Associação de Críticos de BD. O desenhador François Boucq afirmou à mesma agência ter "perdido um verdadeiro grande amigo". Recordou o talento de Giraud como "mestre do desenho realista". Disse também que ele tinha um "real talento humorístico", do qual ainda dava boa prova junto das enfermeiras há 15 dias, quando o visitou no hospital.

Yves Frémion, um dos animadores da revista Papiers Nickelés, consagrada à "imagem popular", foi um dos primeiros a pôr a circular a notícia. As reacções de tristeza e perplexidade não se fizeram esperar. O crítico Gilles Ciment sintetiza bem o espírito dos comentários ao afirmar: "Perdemos de uma só vez um homem requintado e dois autores excepcionais. É terrível."

Os dois autores que coexistiram no mesmo criador eram Giraud e o seu "duplo" Moebius, surgido em 1969 - um nome que homenageava o cientista August Ferdinand Möbius, a quem se deve o oito deitado que é o símbolo do infinito. É com a primeira assinatura que surge a série western realista Forte Navajo. Com Moebius, irrompe na banda desenhada europeia a vertente fantástica e onírica da sua faceta criativa.

LONGA OBRA

Jean Giraud nasceu em Nogent-sur-Marne (França) a 8 de Maio de 1938. Entra para a Escola de Artes Aplicadas de Paris em 1954, assinando no ano seguinte algumas ilustrações na revista Fiction. Entre 1956 e 1958 publica as suas primeiras bandas desenhadas. Em 1958 conhece Jijé, com quem colabora num episódio da série Jerry Spring.

A sua criação mais popular é Forte Navajo (argumentos de Jean-Michel Charlier), que surge em 1963 na revista Pilote. Narra as aventuras de Mike Blueberry e constitui um dos mais bem conseguidos westerns da BD mundial.

Em 1969 Giraud cria o seu alter-ego Moebius, responsável pelas incursões no universo da science-fiction e do fantástico. O ponto de viragem é a criação, em 1975, da revista Metal Hurlant, na qual Giraud-Moebius participa ao lado de Jean-Pierre Dionnet, Pilippe Druillet e outros - o impacto no meio da banda desenhada é enorme.

Em 1978, conhece Alejandro Jodorowsky, cujo carisma e universo pessoais influenciam vivamente o artista francês. "Os problemas metafísicos interessavam-me muito", disse em 2008 ao jornal espanhol El País ao evocar essa colaboração.

Giraud deixa de beber e de fumar, adopta o regime alimentar vegetariano e os seus trabalhos passam a reflectir uma dimensão "espiritual" que não se exime a pincelar com um peculiar sentido de humor. O Incal (1980), Coeur Couronné (1992) e Depois do Incal (2000) são algumas das inúmeras criações comuns. Giraud-Moebius participa também em diversos projectos cinematográficos, entre os quais o desenho dos fatos de Alien (Ridley Scott) e de O Quinto Elemento (Luc Besson).

A obra de Giraud é vastíssima e muito diversificada, incluindo a ilustração de um episódio da série americana Silver Surfer (argumento de Stan Lee, 1988-89) e a colaboração com o artista japonês Jiro Taniguchi numa revisitação do mito de Ícaro (1997).

"ERA O MESTRE"

Com a morte de Jean Giraud desaparece um dos últimos ícones da BD mundial e uma referência absoluta de muitos autores de BD. É o caso do português Pedro Morais: "Ele era o Mestre!"

Conheceu-o em 1982, quando veio a Lisboa participar numa iniciativa de banda desenhada na antiga FIL. "Uma fotografia com ele tirada por um amigo continua na parede do meu atelier", acrescenta. Conserva a imagem de um homem "acessível e simpático". Mas sobretudo era um "giande artista que não tinha problemas em correr riscos ou usar as novas tecnologias".

O jornalista e crítico francês Laurent Mélikian não tem dúvidas em afirmar que Giraud-Moebius "teve uma enorme influência sobre muitos outros desenhadores". Paradoxalmente, disse ao PÚBLICO, "não era um autor popular, não era um Goscinny ou um Hergé". Mas a sua obra tem "uma importância capital e os seus desenhos têm uma vibração que dá gosto ver".

Para Didier Pasamonik, editor do Site ActuaBD, o criador francês foi um homem que "esteve em todas as grandes batalhas da banda desenhada". Lembra que Blueberry mudou a imagem do western na BD. Com Metal Hurlant, Giraud-Moebius esteve ligado à primeira experiência de auto-edição e "acompanhou o movimento contracultural". Foi também o primeiro "a ter uma dimensão artística espiritual" e influenciou" a BD japonesa, sobretudo Katsuhiro Otomo".

Pasamonik conclui: "Foi o primeiro grande autor de dimensão mundial, quando até ali o que havia era personagens, e o primeiro grande desenhador do seu tempo."

Jean Giraud (nascido em 8 de maio de 1938) é um artista francês de história em quadrinhos que também colaborou na produção de diversos filmes. Giraud é também conhecido pelos pseudônimos de Moebius e Gir. Ele começou a publicar suas primeiras tiras aos 18 anos, logo tornando-se um dos ilustradores mais consagrados da Europa.


Carreira


Sua carreira foi interrompida pelo serviço militar que prestou na Argélia, porém, ao retornar, se tornou aprendiz de Jijé, um dos principais quadrinistas europeus da época, com quem colaborou Jerry Spring. Giraud foi por ele indicado para desenhar a série de faroeste Blueberry, que seria publicada pela revista Pilote.
Em 1963, Moebius aparece pela primeira vez na revista Hara Kiri. Nela, foram publicadas 21 tiras em 1963 e 64, e então se passou quase uma década até que o pseudônimo fosse utilizado novamente. Em geral, Giraud assina como Moebius em seus trabalhos de ficção científica e fantasia, que costumam ser mais experimentais.
Em 1974, ele formou os Humanoïdes Associés junto com Jean-Pierre Dionnet, Philippe Druillet e Bernard Farkas. No mesmo ano, lançaram a revista de fantasia e ficção científica Métal Hurlant, que se tornaria muito influente. Já em seu primeiro volume, a capa era de Moebius e Philippe Druillet, e havia as primeiras histórias de Arzach e Major Grubert. A maior parte de seu trabalho na revista foi republicada depois.

Banda desenhada

Entre os diversos trabalhos de Giraud em quadrinhos, como artista ou roteirista, destacam-se:
Como Jean Giraud:

  • Blueberry (29 volumes, English translation, 1965 -), artista (todos), escritos vol. 25 a 29.
  • Jim Cutlass (7 volumes, 1979 - 1999), artisat vol. 1, escritor 2 a 7.
  • XIII (volume 18, La Version irlandaise in 2007), artista.
  • Marshall Blueberry (3 volumes, 2000), escritor.
  • Le Cristal Majeur (3 volumes, 1986 - 1990), escritor (artista: Bati), Paris: Dargaud.
Como Moebius:
  • Le Bandard fou (Tradução inglesa, 1975), texto e arte.
  • Arzach (Tradução inglesa, 1976), texto e arte.
  • L'Homme est-il bon? (Tradução inglesa, 1977), texto e arte.
  • Le Garage Hermétique ("The Airtight Garage", Tradução inglesa, 1976-1980) texto e arte.
  • Les Yeux du Chat (1978), arte.
  • Tueur de monde (1979), texto e arte.
  • l'Incal ("The Incal", 6 volumes, Tradução inglesa, 1981-1988), arte.
  • Les Maîtres du temps ("Time Masters, 1982), arte.
  • Venise céleste (1984), texto e arte.
  • Le Monde d'Edena (1985-2001), texto e arte.
  • Altor (7 volumes, 1986 - ), texto.
  • Silver Surfer: Parable (Original em Inglês, com texto de Stan Lee, 1988-1989), arte.
  • Escale sur Pharagonescia (1989), texto e arte.
  • The Long Tomorrow (Original em Inglês, 1989), artist
  • Les Vacances du Major (1992), texto e arte.
  • Le Coeur couronné ("The Crowned Heart", Tradução inglesa, 1992), arte.
  • Les Histoires de Monsieur Mouche (1994), arte.
  • Griffes d'Ange (1994), arte.
  • Little Nemo (1994), texto.
  • Ballades (1 volume, 1995), arte.
  • Après l'Incal (2000 - ), arte.
  • Icare (2005), texto.
  • Halo Graphic Novel (Original em Inglês, 2006), arte.
Sua primeira história publicada foi "Frank et Jeremie" para a revista Far West, em 1956, publicada antes de seus 18 anos. Ainda na década de 50, fez quadrinhos para a Sitting Bull, Fripounet et Marisette, Âmes Vaillantes e Coeurs Vaillants.

No Cinema

No cinema, Giraud foi responsável pelo design, arte e/ou concepção visual dos seguintes filmes.
  • "Death Note" (adaptação da série criada por Tsugumi Ohba e Takeshi Obata para o cinema, 2010)
  • "Strange Frame: Love & Sax" (2010)
  • "Arzak Rhapsody" (mini-série, 2003)
  • "The Fifth Element " ("O Quinto Elemento", 1997)
  • "Space Jam" ("Space Jam: O Jogo do Século", 1996)
  • "The Abyss" ("O segredo do abismo", 1989)
  • "Little Nemo: Adventures in Slumberland" (adaptação da série criada por Winsor McCay para o cinema, 1989)
  • "Willow" (1988)
  • "Masters of the Universe" (adaptação da série (He-Man) criada pela Mattel para o cinema, 1987)
  • "TRON" (1982)
  • "Les maîtres du temps" ("Time Master", 1982)
  • "Tusk" (1980)
  • "Alien" ("Alien - O Oitavo Passageiro", 1979)

Sem comentários: